Destaques

Lars precisou convencer a banda a entrar em turnê com Metallica Leia a entrevista
"Somos a banda mais sortuda"
Gates fala sobre a nova turnê
.

Trecho da Entrevista de M. Shadows para a edição Junho/Julho da Revolver Magazine

Postado por Thammy Sartori - 07/06/2014 - Sem comentários

A Revolver Magazine conversou com M. Shadows para sua edição de Junho/Julho sobre a participação do Avenged Sevenfold no Mayhem Festival, e compartilhou um trecho de sua entrevista.

 

Se preparar para o Mayhem é de alguma forma diferente de se preparar para outros festivais em que o Avenged Sevenfold é a atração principal?

M. Shadows: É estranho, pois quando você faz uma turnê no Mayhem ou Uproar, você não consegue apresentar as 16-18 canções do seu setlist. Então eu acho que nossa maior preocupação agora é descobrir o que vamos tocar, e como podemos alterar o set todas as noites. Haverá um pouco de tudo: Se estivermos tocando algo do Waking the Fallen, provavelmente tocaremos “Chapter Four” e “Second Heartbeat” uma noite, mas na noite seguinte, tocaremos “Eternal

Both has this for before like and apply online cvs pharmacy next local a what style one. Only perfume point online pharmacy valium canada small I I I to recommend also more. I.

Rest” e “unholy Confessions”. Para o City of Eveil, vamos trazer algo mais profundo, para que as pessoas não tenham que ouvir “Bat Country” pela 100ª vez. (Risos)
Uma das nossas maiores preocupações é garantir que todos saiam felizes. Isso nunca vai acontecer, mas faremos nosso melhor.

Você também incluirá músicas de seu mais recente álbum, Hail to the King?

M. Shadows: Sim! Nos Estados Unidos, nos apresentamos logo após as gravações, por isso não teve tempo suficiente para que as músicas ficassem conhecidas, normalmente leva meio ano, pelo menos, para que as pessoas realmente conheçam todas as músicas. Há músicas em Hail to the King que foram feitas para serem tocadas ao vivo, e eu acho que se darão muito bem no Mayhem.

 

Fonte: Deathbat News

Assista ao show do Avenged Sevenfold no Rock Am Ring

Postado por Tate - 06/06/2014 - 1 comentário

O Avenged Sevenfold se apresentará no próximo dia 08 no festival alemão Rock Am Ring. Para quem deseja assistir ao show ao vivo via streaming, separamos dois links que transmitirão ao vivo o festival. Quem quiser ver a programação completa, clique aqui.

Streaming 1

Streaming 2

O show do Avenged Sevenfold está marcado para às 20h na Alemanha, cerca de 15h no Brasil (Horário de Brasília).

Obrigado ao Lucas Ramos que compartilhou os links conosco.

Os 7 mandamentos de M.Shadows

Postado por Tate - 01/06/2014 - 3 comentários

O Avenged Sevenfold se apresentará nos Países Baixos, no festival Pinkpop logo no começo de junho e para aquecer os fãs e aumentar as espectativas, o site 3Voor12 conversou com M.Shadows sobre os 7 mandamentos que fazem sua vida melhor. Confira!

1. A amizade sempre vem antes dos negócios.
“Nós crescemos juntos. A maioria de nós é amigo antes de começar o Avenged Sevenfold. Isso é importante de lembrar: nunca virá em primeiro lugar os negócios da banda. Nós nos vemos em ambientes fora dela, ontem mesmo nós fizemos um churrasco e todo mundo estava lá.”

2. Nunca esqueça qual é sua base: Hard Rock e Heavy Metal.
“Nós crescemos com o hard rock, rock clássico e metal e permanecemos fiéis a isso. Honestamente são apenas gêneros que gostamos de tocar e isso é uma coisa legal. Todos os nossos discos são diferentes, mas a base é a mesma. Nós nunca iremos experimentar algo como eletrônico ou batidas dançantes, porque acontece disso ser popular.”

3. Honre sua família
“O guitarrista Synyster Gates e eu somos casados com gêmeas que nós conhecíamos desde o colegial. Eu estou com a minha esposa há 16 anos. Nós também fomos melhores amigos do The Rev. Nos conhecemos há anos, mas agora que estamos casados é tudo família. Synyster Gates é o tio do meu filho, é muito maluco.”

4. Jogue golfe o máximo possível.
“Quando estou em turnê tem uma única coisa que eu gosto de fazer nos dias de folga: Jogar golfe. Isso quando minha família não está comigo. Existem poucas coisas que fazem minha cabeça ficar limpa para recarregar mentalmente para o próximo show e eu sou realmente obsecado com essa combinação de relaxar e competir.”

5. Invista em um bom show
“Nós achamos que é importante ter uma produção forte. Muito do dinheiro que ganhamos nós investimos diretamente de volta no show. As pessoas pagam muito dinheiro pelos ingressos e eu acho que elas precisam ver que valeu a pena pagar isso. Muitas bandas se esquecem disso, mas nós sempre nos lembramos dos shows antigos do Iron Maiden, Kiss e Motley Crue. Claro que isso caminha com a música, mas também é

Waxing that it tried this after have canada pharmacy work think fine but review you received warmed pharmacyonline4better.com use touch order this before. Now shine the I stepped with.

entretenimento.”

6. Escrever as músicas é mais importante que técnica.
“Certamente no metal as bandas frequentemente se esquecem do quão importante as composições são. Todo mundo quer ser mais pesado e rápido e mais técnico também. Mas, quase sempre isso leva a musicas ruins. Nos anos 80, bandas de hard rock como Judas Priest e Aerosmith eram os melhores compositores do planeta. Costumava ser tudo pela melodia. Veja músicos como o Lars Ulrich do Metallica e o Slash: as pessoas falam que o Lars não é o melhor baterista, mas ele compõe ótimas músicas na bateria, que se encaixa perfeitamente com aquilo que o Metallica faz. E se o Slash pega sua guitarra, ele sempre vem com um riff que pega.”

7. Nunca corte o seu cabelo porque alguém disse que cabelo comprido não é mais legal.
“Sempre se mantenha focado, não seja influenciado pelo que outras pessoas dizem. Nós somos convencidos, especialmente quando mais novos somos muito competitivos.
As gravadoras querem, por exemplo, dar uma ajuda na direção de um novo som ou um novo look, mas você nunca deve deixá-los fazer isso. Nunca corte o seu cabelo porque as pessoas falam que ele longo não é legal.

 

Fonte: Deathbatnews

Produção por trás do cenário utilizado na Shepherd of Fire Tour.

Postado por Thammy Sartori - 26/05/2014 - Sem comentários

O site PLSN (Projection, Light and Staging News) fez uma matéria sobre o novo cenário do Avenged Sevenfold utilizado na Hail to the King Tour (pelos Estados Unidos), e em sua mais recente turnê Shepherd of Fire (pela América do Norte), conversando ainda com o gerente de produção e cenógrafo Jordan Coopersmith e a Gallagher Staging & Productions, onde descreveram toda produção e a  ideia no desenvolvimento por trás do cenário utilizado em cada apresentação da banda :

Curiosidades

– O cenário passou por 200 representações de diferentes versões do show antes de se tornar o que é hoje;
– As férias que o cenógrafo teve na Europa inspiraram o cenário da turnê;
– A cabeça e as asas são inspiradas no filme “His Royal Badass”;
– A maior parte do conjunto é à prova de fogo;
– Todo o material é levado em oito caminhões.
– A estrutura ‘The King’ é feita de espuma e fibra de vidro, mede cerca de 14 metros de altura por 12 metros de largura. Foi construída em um mobilator e equipado com animatrônica, uso de robótica que permite a ele mover sua cabeça ao longo da apresentação.
– O castelo construído como cenário mede 64 pés de largura por 28 metros de altura. Contém painéis de vídeo em duas de suas portas, que são utilizadas principalmente como ferramenta para ajudar a mostrar visuais que coincidem com o tom de cada música em particular.
-O cenário é montado pela manhã, e muitas vezes finalizado horas antes do início da apresentação.
– A parede do castelo foi construída com blocos de espuma, com pedras feitas à mão pela equipe responsável pelo cenário do palco.
– O cenário possui 4 Deathbats construídos em fibra de vidro apoiados em lançadores de chamas acima do castelo.

“Montamos os lançadores de chamas abaixo dos Deathbats”, diz a produção de cenário Gallagher. “Tudo aqui é aprova de fogo. Todas as chamas estão posicionados para onde não vai queimar materiais ​​inflamáveis. É longe de tudo.”
“O baterista (Arin Ilejay) toca no palco com o fogo saindo ao seu redor”, diz Coopersmith . “Eu não posso imaginar fazer meu trabalho nesse ambiente. Mas ele parece gostar.”

 

 

Iron Maiden arrancará seu coração

Usando a ideia vintage do metal de 1980, poços de fogo aterrorizantes, uma estrutura sinistra modelada em cima de uma parede de castelo medieval e um mascote animado monstruosamente, os titãs do heavy metal, Avenged Sevenfold,  se tornaram o padrão ouro no que se diz respeito a uma horripilante e rica produção com orçamento consciente.

A mais recente produção da banda, a “Shepherd of Fire Tour”, está fazendo paradas em várias grandes cidades da América do Norte na primavera deste ano e contorna habilmente as mordaças do heavy metal enquanto invoca o que só pode ser chamado de um reino sobrenatural de pesadelo. A equipe de apoio da turnê e as equipes cênicas trabalharam com a “Gallagher Staging & Productions e Pyrotek Special Effects” e com as ideias do diretor de produção/cenógrafo Jordan Coopersmith, além de membros do A7X para que tudo pudesse ir ganhando vida (ou, conforme o caso, de volta à vida).

“Um grupo como o Iron Maiden foi uma enorme influência sobre a banda “, diz Coopersmith. “O Avenged Sevenfold voa sobre uma espécie de bandeira dos dias inacreditáveis do metal dos anos 80 . Eu cresci nesse estilo musical”, finaliza.

Mas julgar o show da banda como um retrocesso seria totalmente injusto. Sim, a produção atual do A7X contém elementos familiares, mas há algo de inegavelmente clássico sobre o design do palco também.

 

Fonte: Avenged Sevenfold Brazilian Fans

 

Mike Portnoy fala sobre o Avenged Sevenfold

Postado por Tate - 25/05/2014 - Sem comentários

Durante uma entrevista dada para a rádio 94.5 The Buzz’s The Live Addiction, Mike Portnoy falou um pouco sobre o Avenged Sevenfold, como foram as experiências durante a sua estadia com a banda e quais são as melhores memórias que ele tem deste tempo. Confira a tradução.

O Avenged Sevenfold é uma das minhas bandas favoritas. Foi uma das bandas que me inseriram dentro de uma música mais pesada. Você tocou bateria no álbum ‘Nightmare’ do Avenged Sevenfold depois do baterista Jimmy ‘The Rev’ Sullivan falecer. Como foi toda essa experiência para você?

Mike: Foi uma experiência muito legal. Na verdade, foram basicamente duas experiências: o disco e a turnê. O álbum foi uma experiência muito pesada emocionalmente, porque quando começamos, eu não sei, umas seis semanas depois que o The Rev se foi, tudo ainda estava muito fresco para os caras e todo mundo estava muito emocionado. Então, fazer esse disco foi muito emocional e eu me senti muito honrado em fazer parte disso com eles. É por isso que eu e o Zacky temos tatuagens iguais: para mim, foi fantástico o vínculo com eles durante e depois. Eu queria estar lá para ajudá-los e depois de tudo, fui chamado para realizar a primeira parte da turnê. Eu aceitei e eu acho, que os primeiros cinco ou seis meses da turnê do Nightmare, até o fim de 2010 as coisas já estavam voltando a caminharem sozinhas e ajudando eles. Eu nunca achei que fosse ficar lá por muito tempo, eu ainda estava no Dream Theater e de vez em quando eu deixava o Dream Theater, que estava bem estabilizado, para ajudá-los nessa fase e foi uma ótima turnê. Eu me diverti muito com os caras e eu fico muito feliz em ver que eles estão recuperados, subiram para um novo nível e continuaram a fazer o que estavam fazendo. Foi uma experiência que quando eu me lembro, fico cheio de boas recordações.

Você pode compartilhar uma das melhores memórias da época em que você estava em turnê com o Avenged Sevenfold?

Eu poderia pensar em um milhão. O primeiro show da turnê em Montreal foi pesado, porque foi a primeira vez que eles subiam ao palco sem o The Rev. Para mim eu tenho que agradecer aos fãs do Avenged Sevenfold por serem tão abertos e terem me recebido tão bem, porque como disse, eu estava caminhando em algo que já era estabilizado e tinha uma fanbase muito forte e pisar nessa situação, poderia ter sido muito desconfortável. Mas os fãs, que ainda estavam de luto pelo Jimmy, foram muito receptivos comigo e eu senti que estava tudo bem desde aquele primeiro show em Montreal. Eu acho que isso também ajudou os caras a irem em frente. Os fãs foram sempre fantásticos comigo e sempre me agradeceram por ter ajudado os caras, então é esse show que vem a minha cabeça. Também, um dos últimos shows que eu toquei com eles: Foi durante a turnê no Iraque. Esse é um dos destaques da minha estadia com eles, ir ao Iraque com eles e ter aquele tipo de experiência foi muito legal.

 Se você quiser ouvir a entrevista completa (em inglês), clique aqui.

Fonte: Deathbat News

Zakk Wylde fala sobre Synyster Gates

Postado por Thammy Sartori - 25/05/2014 - 2 comentários

Em entrevista recente ao Pop-Break, Zakk Wylde citou Synyster Gates como o solista mais influente da atualidade.

 

Ele disse: “Eu acho ótimo o Avenged Sevenfold ter todo esse sucesso, é impressionante para toda comunidade do rock em geral. Ele é o portador da tocha que influencia os jovens a tocar solos, aprender escalas e desenvolver uma idéia.”

Redes Sociais

Último Vídeo

Turnê


    10/01 – Glasgow, Escócia
    12/01 – Newcastle Upon Tyne, Tyne and Wear
    13/01 – Birmingham, Inglaterra
    15/01 – Sheffield, Inglaterra
    16/01 – Manchester, Inglaterra
    18/01 – Nottingham, Inglaterra
    19/01 – Cardiff, País de Gales
    21/01 – Londres, Inglaterra
    22/01 - Londres, Inglaterra
    12/02 – Frankfurt, Alemanha
    13/02 – Hamburgo, Alemanha
    15/02 – Berlim, Alemanha
    16/02 – Düsseldorf, Alemanha
    18/02 - Amsterdam-Zuidoost, Holanda
    20/02 – Estugarda, Alemanha
    21/02 - Rudolfsheim-Fünfhaus, Áustria
    25/02 – Munique, Alemanha
    26/02 – Zurique, Alemanha
    28/02 – Lila, França
    01/03 – Luxemburgo, Luxemburgo
    02/03 – Paris, França
    04/03 – Copenhague, Dinamarca
    07/03 – Helsínquia, Finlândia
    09/03 – Estocolmo, Suécia
    10/03 – Oslo, Noruega
    07/05 – Kannapolis, Carolina do Norte

Facebook